MUSEU DE ARTE DE S√O PAULO - Assis Chateaubriand
- | A | +

MASP PROFESSORES: ENCONTROS SOBRE ARTE, EDUCAÇÃO E ESFERA PÚBLICA

Hist√≥rias afro-atl√Ęnticas: cultura afro-brasileira e educa√ß√£o antirracista

16 de setembro, das 9h às 14h

Em 2018, o MASP dedicar√° todo o programa expositivo ao debate sobre a di√°spora africana, dando destaque √† resist√™ncia e ao protagonismo negros na forma√ß√£o das culturas da margem atl√Ęntica das Am√©ricas, sobretudo no Brasil, Caribe e sul dos Estados Unidos. Em torno da arte e da cultura material negra de diferentes per√≠odos e territ√≥rios, a exposi√ß√£o central deste ciclo, Hist√≥rias afro-atl√Ęnticas, discutir√° os fluxos e refluxos gerados por este violento processo hist√≥rico.

No Brasil, a hist√≥ria da √Āfrica e a di√°spora s√£o conte√ļdo transversais obrigat√≥rios no curr√≠culo escolar (Lei 10.639/03). Contudo, a defasagem na forma√ß√£o docente, o preconceito frente √†s religi√Ķes de matriz africana e o racismo institucional dificultam a visibilidade deste assunto no universo da educa√ß√£o, tanto na escola como no museu. Por isso, o MASP Professores de setembro antecipar√° o programa de 2018 e discutir√° a contribui√ß√£o pedag√≥gica e pol√≠tica da arte e da cultura negra.

Convidados:
  • Amanda Carneiro e Giselda Per√™ - Idealizadoras do projeto √ĆR√ČT√ć ‚Äď Forma√ß√£o em Cultura Negra para educadorxs.

  • Edn√©ia Gon√ßalves - Educadora popular e assessora de educa√ß√£o da ONG A√ß√£o Educativa.

  • Vitor da Trindade - M√ļsico, cantor popular e professor de cultura afro brasileira.

A programação foi construída e parceria cultural com a ONG Ação Educativa.

P√ļblico: Professorxs, educadorxs e interessadxs em geral

Atividade gratuita.
INSCRI√á√ēES ESGOTADAS
Sobre os convidados:
  • Amanda Carneiro √© uma das idealizadoras do √ĆR√ąT√ć - Forma√ß√£o em Cultura Negra para Educadorxs, dedicado √† hist√≥ria e cultura africana e afro-brasileira. Bacharela em Ci√™ncias Sociais pela USP, com interc√Ęmbio realizado na Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em Mo√ßambique. Mestranda no Programa de P√≥s-gradua√ß√£o em Hist√≥ria Social (USP) com pesquisa sobre g√™nero e anticolonialismo. Foi bolsista no programa de coopera√ß√£o internacional da Funda√ß√£o Cultural Prussiana no Museu Etnol√≥gico de Berlim, Alemanha. Trabalhou como educadora no Museu Afro Brasil, onde hoje exerce a fun√ß√£o de Auxiliar de Coordena√ß√£o do N√ļcleo de Educa√ß√£o. Foi selecionada no Fellowship Programme for People of African Descent, da Organiza√ß√Ķes das Na√ß√Ķes Unidas (ONU) de 2016.

  • Giselda Pereira √© uma das idealizadoras do √ĆR√ąT√ć - Forma√ß√£o em Cultura Negra para Educadorxs, projeto premiado pelo ProAC Culturas Negras em 2014 e 2015. Mestranda em Arte - Educa√ß√£o no IA/UNESP, pesquisa os mitos e contos tradicionais africanos e afro brasileiros na forma√ß√£o de professores como pr√°tica de combate ao racismo e a intoler√Ęncia religiosa. Possui gradua√ß√£o em Educa√ß√£o Art√≠stica pela Faculdade Mozarteum de S√£o Paulo (2005). Atriz, cantora e narradora de hist√≥rias, hoje integra o grupo Il√ļ Oba De Min, o grupo Samba de Roda Nega Duda, o Cl√£ do Jabuti e o n√ļcleo de narradoras Agbal√° Conta. Atuou como arte-educadora em institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas desde 2000. Coordenou em 2010 o educativo do Espa√ßo de Leitura e foi educadora no Museu Afro Brasil. Em 2013, realizou o projeto de forma√ß√£o para professores Literatura Negra e Oral um tesouro ancestral, com o pr√™mio do ProAC Bibliotecas. Coordenou o setor de Patrim√īnio Cultural e Comunidades Tradicionais da Secretaria Municipal de Promo√ß√£o da Igualdade Racial, e √© diretora na empresa Per√™ Produ√ß√Ķes, Arte e Educa√ß√£o.

  • Edn√©ia Gon√ßalves √© soci√≥loga com experi√™ncia na avalia√ß√£o de projetos educacionais e sociais. √Č assessora da √°rea de educa√ß√£o na ONG A√ß√£o Educativa. Atua em coopera√ß√£o t√©cnica internacional na √°rea de forma√ß√£o de gestores educacionais em pa√≠ses africanos lus√≥fonos. √Č formadora de gestores educacionais e professores com enfoque na √°rea de educa√ß√£o de pessoas jovens e adultas e rela√ß√Ķes raciais na Escola.

  • Vitor da Trindade √© percussionista, compositor, cantor popular e professor de cultura afro brasileira. Em seus 40 anos de profiss√£o, tem se apresentado por 04 continentes, como m√ļsico e professor. Desde a inf√Ęncia, aprendeu os ritmos e a hist√≥ria afro brasileira. Herdeiro da fam√≠lia Solano Trindade, traz consigo, atrav√©s da cultura oral, o seguimento do trabalho da fam√≠lia na manuten√ß√£o da tradi√ß√£o negra no Brasil. Ogan alab√™, √© graduado em m√ļsica pela Fito Osasco. Professor convidado da Landesmusikakademie de Berlin, trabalhou 5 anos na Alemanha no Groove Zentrum fur Perkussion e Musikschule Schoneberg. Tem sete discos gravados.