MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO - Assis Chateaubriand
- | A | +

DIÁLOGOS NO ACERVO

Que relações poderiam ser feitas entre coisas de diferentes origens, períodos, tamanhos e estilos? Os cavaletes de cristal, no 2º andar do MASP, eliminam hierarquias entre obras do acervo, dispensam roteiros predeterminados e desafiam narrativas canônicas da história da arte. A transparência espacial convida os visitantes a construírem seus próprios caminhos, permitindo justaposições inesperadas e diálogos entre arte asiática, africana, brasileira e europeia. Os diálogos dão-se não somente entre obras, mas também entre elementos que compõem cada obra, como fundo e figura, frente e verso, tela e moldura; ou até entre obras e outros visitantes.

Para aprofundar as relações e perspectivas possíveis na coleção do museu, o MASP organiza uma série de conversas no acervo, sempre às terças, às 16h, e às sextas, às 16h. As conversas têm duração aproximada de 1h e acontecem em grupos de até 20 pessoas.

INSCRIÇÕES: para participar, é necessário inscrever-se na recepção do 1º subsolo com, no mínimo, 1 hora de antecedência. Às terças-feiras a entrada no museu é gratuita.

O programa substitui o antigo modelo de visitas orientadas à coleção, diferindo da dinâmica em que os visitantes são conduzidos por um percurso cujo anseio é abranger a totalidade ou os destaques da exposição. Os diálogos no acervo, por sua vez, aproximam-se mais de um grupo de estudos, no qual seus participantes também trazem problemas, observações e referências a fim de compartilhá-los entre si.

As conversas são conduzidas por Leonardo Matsuhei e Pedro Andrada, da equipe de Mediação e Programas Públicos do MASP.


PROGRAMAÇÃO

11-14, terça e sexta-feira, de julho às 16h

Ferdinand Hodler, O lenhador, 1910
Candido Portinari, O lavrador de café, 1934
Luiz Braga, Vendedor de amendoim, 1990

Com a participação de André Mesquista, do núcleo de mediação e programas públicos do MASP

18-21, terça e sexta-feira, de julho às 16h

Victor Meirelles, Moema, 1866
Jean-Marc Nattier, Madame Louise-Elisabeth, Duquesa de Parma - A terra, 1750

25-28, terça e sexta-feira, de julho às 16h

Thomas Gainsborough, Drinkstone Park [O Bosque de Cornard?], c.1747
Frans Post, Paisagem com jibóia, c. 1660
Salomon van Ruysdael, Paisagem fluvial com balsa transportando animais, c.1650

1 - 4, terça e sexta-feira, de julho às 16h
Marcelo Cidade, Tempo suspenso de um estado provisório, 2011-15
Cinthia Marcelle, O século (Série B), 2011
Rubens Gerchman, AR – Cartilha do superlativo, 1967-72.

8 - 11, terça e sexta-feira, de julho às 16h
Rubem Valentim, Composição 12, 1962
Alfredo Volpi, Fachada com Bandeiras, 1959
Carybé, Briga de cachorros, 1942

15 - 18, terça e sexta-feira, de julho às 16h
Auguste Rodin, A Eterna Primavera, após 1897
Ernesto De Fiori, O Brasileiro, 1938.
Exu [Esu], sem data, Nigéria, tribo de Yoruba, região de Oyo