MUSEU DE ARTE DE S√O PAULO - Assis Chateaubriand
- | A | +

MASP PROFESSORES: ENCONTROS SOBRE ARTE, EDUCAÇÃO E ESFERA PÚBLICA

Cultura e Educação indígena

15 de julho, das 9h às 14h

Embora a hist√≥ria e cultura das popula√ß√Ķes ind√≠genas do Brasil sejam conte√ļdo obrigat√≥rio no curr√≠culo escolar (Lei n.11.645/08), h√° uma escassez de refer√™ncias sobre o tema na forma√ß√£o de professores e uma grande omiss√£o frente aos processos de acultura√ß√£o e persegui√ß√£o contra os quais os povos ind√≠genas resistem h√° mais de 500 anos. Ainda que a arte, a literatura e a educa√ß√£o sejam ferramentas de representa√ß√£o, cabe criticar o papel hist√≥rico que cumpriram ao romantizar a vida e a rela√ß√£o entre estes povos e os colonizadores.

O MASP realizou, em junho de 2017, o semin√°rio Hist√≥rias ind√≠genas, reinserindo as culturas ind√≠genas no Museu antecipando um ciclo de exposi√ß√Ķes para os pr√≥ximos anos. Junto a este gesto, o Museu discute a educa√ß√£o ind√≠gena e as experi√™ncias de forma√ß√£o de suas escolas, considerando em especial o poder de reinventar a pr√≥pria no√ß√£o de escola e de educa√ß√£o a partir destas outras matrizes culturais.

O MASP Professores de julho convida professorxs, educadorxs e p√ļblico em geral para discutir modelos de educa√ß√£o ind√≠genas, desde experi√™ncias de educa√ß√£o em terras demarcadas na cidade de S√£o Paulo at√© a radical articula√ß√£o entre professorxs e povos ind√≠genas no sul do M√©xico em 2017.

A programação foi construída e parceria cultural com a ONG Ação Educativa.

P√ļblico: Professorxs, educadorxs e interessadxs em geral

Atividade gratuita!

Acompanhe a programação em masp.org.br , facebook ou instragram do MASP.


ASSISTA A APRESENTAÇÃO


Convidados:
  • Clarice Cohn √© antrop√≥loga, professora de ci√™ncias sociais na Universidade Federal de S√£o Carlos, com foco em etnologia ind√≠gena, e desenvolve pesquisas na antropologia da inf√Ęncia e na educa√ß√£o ind√≠gena. √Č bacharel em ci√™ncias sociais pela FFLCH USP, mestre e doutora em antropologia pela USP. Participou da equipe da pesquisa ‚ÄúAntropologia, Hist√≥ria e Educa√ß√£o do Mari ‚Äď Grupo de Educa√ß√£o Ind√≠gena da USP, entre 1995 e 200, com apoio da FAPESP e √© coordenadora do Laborat√≥rio de Estudos e Pesquisas em antropologia da crian√ßa (LEPAC) e do Observat√≥rio da educa√ß√£o escolar ind√≠gena da Ufscar (OEEI/Uscar). Pesquisa com os Xikrin desde 1992.

  • Giselda Pires de Lima (Jer√°) √© uma lideran√ßa comunit√°ria da aldeia guarani de Parelheiros, Zona Sul de S√£o Paulo. √Č professora do ciclo b√°sico em uma escola ind√≠gena, formada em um projeto especial de educa√ß√£o ind√≠gena da USP. Participa de diversos projetos de forma√ß√£o e difus√£o, em parceria com projetos e institui√ß√Ķes, como a Comiss√£o Guarani Yvyrupa.

  • Jo√£o Francisco Migliari Branco √© pesquisador no Grupo de Pesquisa Poder Pol√≠tico, Educa√ß√£o, Lutas Sociais (GPEL/USP). Doutorando e Mestre na Faculdade de Educa√ß√£o da USP, √© Cientista Social (USP) e foi professor da Rede no Estado de S√£o Paulo. Tem se dedicado a estudar as propostas √≠ndias de educa√ß√£o no M√©xico, suas lutas por autonomia, sua forma de vida comunit√°ria e as amea√ßas constantes de viol√™ncia e despojo que v√™m sofrendo na atualidade.